De Volta Para o Passado. Estreando: Revista Veja

Eu tento, gente. Eu juro que eu tento poupar vocês dos meus devaneios. Juro! Em tempos de tanto ódio infundado eu até tento fingir completa alienação, no maior estilo “ignorância é benção” mesmo. Mas aí eu leio umas pérolas como essa reportagem da Veja e… Não consigo! Sinto até um siricutico nos dedos. Preciso, necessito (!) escrever. Não que minha visão dos fatos seja especialmente esclarecida, ou que minha voz tenha algo diferente a dizer do muito que já foi dito, mas preciso me unir ao coro. Nem que seja na mera esperança de torná-lo mais forte e quem sabe ouvido.

Em que ano estamos? Sério, que ano? Só posso ter dormido e acordado em algum ano da década de 50. Só assim. Porque até eu que não morro de amores pela presidente, que acredito que ela, com toda sua incompetência, tenha dado um passo gigantesco para trás na luta pela representação feminina dentro do âmbito político, até eu percebo o quão tendenciosa, oportunista e chauvinista foi essa reportagem.  Leia mais

Anúncios

Sobre Paternidade e Feminismo 

Olhando fotos e vídeos antigos no meu celular, me deparo com esse. Um depoimento meu no “Arquivo Confidencial” que os funcionários do meu pai preparam para sua festa de 50 anos.

Porque paternidade e paternalismo são coisas completamente diferentes. E como sou grata que meu pai soube e sabe diferenciar.

Sobre Suporte

Não ouso dar conselhos à quem está prestes a se tornar mãe. Mas se tivesse que escolher um, seria esse: encontre uma rede de apoio. Acredite, você vai precisar.

Nada é ao mesmo tempo tão coletivo e tão solitário quanto a maternidade. Nada é mais ambivalente. Nada é mais humanizador. Você ficará frente a frente com fraquezas e frustrações que você nem imaginava existirem. Você balançará, tropeçará, cairá de cara no chão… dezenas, centenas de vezes. E sabe o que mais você precisará nesses momentos? Suporte. E o tipo de compreensão que só oferta quem vivencia diariamente os mesmos desafios.

Esqueça livros, aplicativos, redes sociais. Tudo isso ajuda bastante mas o que sara de verdade a alma é um abraço. O que acalenta o coração é saber que não, você não embarcou nessa viagem sozinha.

Leia mais

Essa Fase da Vida

Essa fase da vida. Como é difícil, gente.

Eu estou falando com você, mãe por volta dos 30. Você tem filhos. Provavelmente dois, três, talvez quatro deles. Eles provavelmente estão na faixa etária que vai de recém-nascidos até 7 ou 8 anos de idade. (Tirando aqui e ali, em todas as estatísticas acima mencionadas).

Nessa fase da vida você está lidando com exaustão. Mental, física e emocional. Leia mais

Carta aberta ao pai do meu filho…

Uma semana antes da data prevista para o nascimento.

Querido Ray,

Estamos prestes a embarcar na jornada das nossas vidas. Durante os próximos meses, nossas vidas serão uma névoa de fraldas sujas, golfos e noites sem dormir. Eu ouvi dizer que  tudo isso vale a pena. Dizem que eu vou experienciar um tipo de amor diferente de qualquer outra coisa. E eu estou inclinada a acreditar nisso. Mas antes da experiência maravilhosa e ainda assim assustadora que é o parto, antes das minhas taxas de hormônios desabarem no pós-parto, antes que esta pequena criatura entre em nossas vidas e nos mude para sempre, há algumas coisas que eu gostaria que você soubesse.  Leia mais

Sobre o parto normal…

Um tempinho atrás eu postei aqui no Face sobre o documentário The Business of Being Born e os benefícios do parto normal. Minha opinião era somente baseada nas minhas pesquisas, na época falei sem conhecimento de causa e por isso agora, já tendo passado pela experiência, gostaria de reiterar minha posição. Continuo acreditando que seja o direito de qualquer mulher escolher como seu filho vem ao mundo, e optar por uma cesárea não desmerece ninguém como mãe, tão pouco faz o nascimento de um filho menos mágico e significativo. Afinal de contas tudo o que importa realmente é que mamãe e bebê estejam bem e saudáveis. Leia mais

Sobre as infelizes colocações de Levy Fidelix:

Quanto ódio infundado cabe dentro do coração de um ser humano? E quanto mais escrachado esse ódio precisa tornar-se para que as pessoas o reconheçam e o combatam?

Mais do que a ignorância do Sr. Fidelix, o que me indignou realmente foi ler tantos comentários de pessoas o defendendo nas redes sociais; pessoas que não reconhecem as colocações do candidato como homofóbicas. Que triste constatar tanta falta de sensibilidade e solidariedade ao próximo. Liberdade de expressão não significa liberdade para ofender e denegrir, ainda mais durante um debate presidencial em rede nacional.

Fidelix associou a homossexualidade à pedofilia (!) e a encara como um “problema psicológico” que precisa ser tratado. Se você não enxerga esse discurso como um de ódio e ofensa, sinto muito mas quem tem “um problema” aqui é você.

Realmente “aparelho excretor não reproduz.” Ninguém vai discutir o contrário. Mas será essa a real essência de um casamento? Nos unimos em matrimônio tão somente com a intenção de procriar? Assim sendo, o que acontece com os casais heterossexuais que não têm filhos por escolha ou por infertilidade? A união deles seria invalidada então? O amor questionado?

“Multiplicai-vos e enchei a terra”, sim, está lá na bíblia. Mas “amai-vos uns aos outros” também está. E sabe o que mais a bíblia ensina? Compaixão, tolerância, solidariedade. O Novo Testamento foca muito mais na fé e renascimento espiritual do que na procriação. Se a regeneração espiritual e o renascimento em Cristo também são maneiras de aumentar a família de Deus, um casal homossexual que adota uma criança e a educa conforme a doutrina Cristã também estaria cumprindo o seu papel, não? Se de um ponto de vista teológico o matrimônio consiste de uma união de doação e renúncia mútuas que reflita o amor de Deus por nós e aumente Sua família, dois homens ou duas mulheres conseguem cumprir esse propósito tão bem quanto um homem e uma mulher (alguns até com muito mais êxito).

No entanto, muito mais importante do que qualquer debate religioso é o fato de que o Brasil é um Estado laico, ou seja, existe a separação entre Estado e Igreja. A Constituição nos garante liberdade de culto religioso (como também a liberdade de não praticar religião alguma), sendo assim candidato nenhum deve levar em consideração suas crenças pessoais quando elaborando seus projetos de governo. Seu papel como representante do povo é justamente fazer com os direitos constitucionais sejam acessíveis a todos, inclusive aqueles com um estilo de vida da qual ele(a) discorde. Não se faz legislação com opiniões pessoais sobre religião e moralidade.

Pelo o que o Levy Fidelix já viu da vida em seus sessenta e dois anos “dois iguais não fazem filhos.” Acho que sou uma pessoa infinitamente mais afortunada, porque pelo o que já vi da vida em apenas vinte e oito anos, dois iguais podem até não fazer filhos, mas dois iguais ainda podem fazer muito AMOR.

Há um vilarejo ali…

 

Existe uma verdade simples sobre quem foi criado em cidade pequena. Você pode amá-la ou odia-la, culpá-la ou ressenti-la. Você pode percorrer os quatros cantos do mundo, sofrer por nostalgia ou renegar suas raízes. O fato é que você sempre trará uma parte significante da sua cidade dentro de você.

Morar em cidade pequena é como fazer parte de uma grande família não-congênita e um tanto disfuncional. Às vezes é divertido e às vezes é perfeitamente horrível, mas quanto mais velho você fica, mais você percebe o quanto esse estilo de vida só fez bem para você. Leia mais

Porque estou de mal com a Cinderela…

Sim, erámos amigas de infância mas depois de certas decepções, já não mais nos falamos. Sabe aquele tipo de amizade antiga para qual não existe mais espaço em sua vida uma vez que você amadurece e amplia os horizontes? Pois é. Aí aproveitei o embalo e fiquei logo de mal com a turma toda; todas aquelas princesas cantarolantes com cinturinhas minúsculas e personalidades de ameba. Leia mais