Mérito Vs Culpa

Existe um certo tipo de prepotência bem característica as mães (e pais) de primeira viagem. Um certo je-ne-sais-quoi ilusório de onde brotam os julgamentos que vagam num loop impiedoso até que caiam por terra (ou melhor, na testa) na velocidade da luz. São frases do tipo “com meu filho será diferente!” que nem sempre alcançam a boca mas com frequência vagam pela mente em tom acusatório ao observamos a maternagem alheia. Ah, a doce ignorância que é acreditar que estamos no controle.

A guerrilha entre mães acontece quando suponhamos entender do filho da outra. Oferecemos fórmulas mágicas na presunção de que qualquer sucesso obtido com nossos filhos é mérito único e exclusivamente nosso. Nos armamos de informação e de produtos revolucionários como quem se prepara para batalha, a maior de nossas vidas. E tentamos, muitas vezes as custas da própria sanidade mental, padronizar o sono, os hábitos alimentares, o comportamento e toda a existência de uma vida que não nos pertence.

O problema com esse controle ilusório que exercemos sobre nossos filhos é a falsa sensação de emponderamento que ele nos traz. Na verdade essa busca incessante por uma perfeição materna que nos elude escraviza muito mais do que liberta, pois do outro lado do mérito vive a culpa.

Não pariu de cócoras no mato? Culpa. Não amamentou até a cria começar a faculdade? Culpa. Não faz cama compartilhada? Culpa. Filho não dorme a noite inteira? Culpa. Fez treinamento do sono? Culpa também. Filho não come bem? Culpa. Não abastece a geladeira de orgânicos? Culpa. Não tem dinheiro para pagar escola Montessori? Culpa. Filho fazendo birra no mercado? Culpa. Falou grosso com o filho para evitar a birra no mercado? Culpa também.

A ideia que quem nossos filhos são não depende inteiramente de nós é aterrorizante. Mas é também libertadora. Não precisamos pensar e pesar com urgência cada uma das nossas ações com eles quando entendemos que cada erro e acerto não traz consigo consequências impactantes. Entender que cada comportamento negativo não é um resultado direto das nossas falhas traz leveza. E traz também empatia para com as outras mães.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s